'No próximo ano não haverá déficit previdenciário', diz presidente da Rioprevidência

Segundo Reges Moisés dos Santos, melhora nas contas deve-se também ao aumento na arrecadação de royalties do petróleo e à vinculação da receita do Imposto de Renda a partir do ano que vem

Para recuperar o caixa, a equipe do Rioprevidência vem adotando diversas medidas e ainda pensa em projetos para serem implementados no apagar das luzes de 2018. Presidente da autarquia, Reges Moisés dos Santos, que entregará o cargo para o próximo gestor, faz estimativas para 2019 e garante que não haverá 'buraco' financeiro na previdência. A melhora nas contas deve-se também ao aumento na arrecadação de royalties do petróleo e à vinculação da receita do Imposto de Renda a partir do ano que vem. Segundo Santos, que é servidor de carreira do órgão, os cálculos mostram que haverá dinheiro suficiente para garantir o pagamento de aposentado